O mecanismo de ação do etanol

Abas primárias

Versão para impressãoVersão para impressão

O fenômeno da excitotoxicidade resulta da ativação excessiva da neurotransmissão glutamatérgica, onde pode ocorrer degeneração neuronal em algumas regiões específicas do SNC, sendo o receptor NMDA o principal canal envolvido na morte neuronal.

A administração aguda de etanol produz uma diminuição significativa na concentração de Ca2+, enquanto o uso crônico dessa droga sensibiliza neurônios hipocampais à excitotoxicidade mediada por receptores NMDA.

Muitos compostos novos como, por exemplo, abecarnil e tiaprida têm sido desenvolvidos para ajudar no tratamento da síndrome de dependência ao etanol. Essas drogas atuam, respectivamente, como agonista parcial na síndrome de abstinência, causando efeito ansiolítico e bloqueando os efeitos estimulantes do etanol.

O aspecto mais interessante, no contexto deste estudo, é a aplicação do conhecimento científico na elaboração de novas drogas que poderão, num futuro próximo, contribuir para o tratamento efetivo da síndrome de dependência ao etanol.

Unitermos: Excitotoxicidade; Etanol; Receptor do glutamato; Receptor GABAA; Receptor dopamina.

INTRODUÇÃO

Já é fato conhecido que o álcool é a segunda substância psicoativa mais consumida no mundo depois da cafeína. Em conseqüência do seu uso, aparecem os acidentes automobilísticos, os acidentes de trabalho, as doenças orgânicas como, por exemplo, hepatopatias e neuropatias, além dos quadros de dependência que geram inúmeros transtornos familiares e graves problemas sociais. Por isso, é imprescindível o desenvolvimento de estudos sobre o mecanismo pelo qual o álcool produz sua atividade psicotrópica, na tentativa de tratar e prevenir os problemas relacionados ao seu consumo.

De uma maneira geral, o tratamento farmacológico da dependência ao álcool envolve, atualmente, os agentes para o tratamento da síndrome de abstinência, os agentes aversivos e os agentes para diminuir o desejo ou evitar a reincidência (Besson, 1997).

Um dos aspectos mais importantes e relevantes são os recentes dados mostrando que o etanol altera seletiva e especificamente a função de várias proteínas ligadas à membrana (Gonzales e Hoffman, 1991; Samson e Harris, 1992), desafiando a hipótese, chamada de "hipótese de membrana" (Tabakoff e Hoffman, 1987), de que o etanol é considerado uma "droga não-específica" e que produz certos efeitos fisiopatológicos, desequilibrando os componentes lipídicos das membranas neuronais. Entretanto, pelo fato de essa droga afetar vários sistemas de neurotransmissores, o conhecimento de como isso ocorre, provavelmente, é a chave para explicar as suas ações psicoativas.

Este trabalho relata os avanços recentes sobre o mecanismo de ação do etanol e o envolvimento dos sistemas de neurotransmissores no tratamento da síndrome de dependência ao álcool. Entretanto, como é impossível incluir todos os sistemas de neurotransmissores, que são afetados por essa droga, no espaço limitado deste trabalho, serão abordadas somente as pesquisas relacionadas à transmissão glutamatérgica, gabaérgica e dopaminérgica.

TRANSMISSÃO GLUTAMATÉRGICA

O glutamato é o principal transmissor excitatório do SNC, sendo as suas respostas mediadas por vários subtipos de receptores, classificados como ionotrópicos (RI) ou metabotrópicos (RM), dependendo da via de transdução envolvida. Os RI (AMPA, kainato ou NMDA) são canais iônicos de membrana, permeáveis aos cátions quando ativados, enquanto os RM (RM1 _ RM8) estão relacionados à via de segundos mensageiros, que regulam a atividade dos canais iônicos de membrana e outros processos celulares (Hollmann e Heinemann, 1994; Leslie et al., 1990).

Uma função importante dos receptores do glutamato é a propriedade de eles desenvolverem excitotoxicidade, que está relacionada à degeneração de neurônios em regiões específicas do SNC (sistema nervoso central), como, por exemplo, o hipocampo, o córtex e o estriado (Lovinger, 1993).

A ativação dos RI aumenta o Ca2+ (cálcio) intracelular utilizando várias vias, como o influxo por meio do canal do RI, influxo por meio dos canais de cálcio voltagem sensíveis (CCVS), que são ativados por despolarização da membrana, e a liberação de Ca2+ dos estoques do retículo endoplasmático (ERE), controlado pelo receptor rianodine, o qual é ativado pela concentração de Ca2+ intracelular (Gruol et al., 1996).

Pesquisas recentes demonstraram que o aumento de Ca2+ relacionado à ativação de RI (AMPA/kainato), RM e despolarização de K+, são alterados pela administração aguda de etanol em cultura cerebelar de neurônios de Purkinje, conhecidos por possuírem abundantes canais de Ca2+ (Gruol et al., 1997).

Assim sendo, é sugerido que o uso de agonista do receptor AMPA aumenta a concentração de Ca2+ nas regiões somáticas e dendríticas dos neurônios de Purkinje, entretanto, o etanol altera essa resposta, de maneira dose-dependente, sendo que com a dose de 10 mM não é observado nenhum efeito, enquanto com as doses de 33 mM e 66 mM, produz uma significativa diminuição. Da mesma forma, a utilização de agonistas do RM também aumenta a concentração de Ca2+ em ambas as regiões dos neurônios de Purkinje, porém, com a administração de 10 mM de etanol, há um aumento desses sinais, o que não ocorre com as doses de 33 mM e 66 mM. Os resultados desse estudo indicam que os componentes da via de sinalização do Ca2+, sensíveis ao etanol, estão localizados nos neurônios de Purkinje; o etanol produz um efeito máximo na dose de 33 mM sobre os receptores AMPA e a ativação do RM é altamente sensível ao etanol agudo. Entretanto, a sensibilidade ao etanol, relacionada à transmissão glutamatérgica, é provavelmente dependente do subtipo de receptor do glutamato, visto que os sinais de Ca2+ relacionados à ativação dos RI e RM variam na sensibilidade e na resposta ao etanol (Gruol et al., 1997).

Por outro lado, o receptor NMDA é o principal canal envolvido na morte neuronal devido ao aumento da permeabilidade do canal de Ca2+ que está associado a esse receptor (Mayer e Westbrook, 1987; Hartley et al., 1993; Tymianski et al., 1993) e, possivelmente, desempenha uma função importante na neurotoxicidade observada no abuso de álcool ou na síndrome de abstinência ao álcool (Lovinger, 1993).

Sabe-se, no entanto, que o receptor NMDA é sensível à inibição pela administração aguda de 5 a 100 mM de etanol (Bhave et al., 1996), que corresponde ao limite que produz intoxicação in vivo. Também tem sido observado que a exposição aguda de etanol previne a excitotoxicidade produzida pela ativação de receptores NMDA, em cultura de neurônios do SNC, sendo que esse efeito parece estar relacionado à inibição de influxo de Ca2+ por meio dos canais iônicos, acoplados a esse tipo de receptor (Lovinger, 1993).

Ao contrário da administração aguda, o uso de etanol crônico parece induzir um aumento adaptativo na função do receptor NMDA (Ahern et al., 1994; Blevins et al., 1995).

Estendendo essa informação, recentemente, vários estudos de binding evidenciaram que, após ACECC ou abuso crônico de etanol, há um aumento do número de receptores do glutamato, mas nenhuma mudança na sua afinidade (Freund e Anderson, 1996; Hoffman et al., 1995). Já outros achados da literatura sugerem uma complexa alteração da função do receptor NMDA na (ACECC), que pode envolver outras mudanças, além de um aumento na densidade de receptores, como, por exemplo, mudanças na liberação de glutamato nos terminais pré-sinápticos (Lovinger, 1993). Também é possível sugerir que haja alterações na composição das subunidades do receptor NMDA, pois elas podem afetar as propriedades do receptor, a afinidade agonista, a permeabilidade ao cálcio ou o aumento de Ca2+ intracelular (Grant et al., 1997; Koltchine et al., 1996.; Kuner e Schoepfer, 1996).

Outra observação interessante está relacionada ao fato de que a administração crônica de etanol em cultura de células (ACECC) sensibiliza neurônios hipocampais à excitotoxicidade mediada por receptores NMDA, não envolvendo, entretanto, os receptores AMPA/kainato ou os CCVS do tipo L. Pelo fato de que não houve um aumento da excitotoxicidade induzida por AMPA ou kainato, é possível sugerir que não haja uma resposta adaptativa desses receptores nessas condições experimentais.

Já a ativação dos CCVSs não induz morte celular, mas é possível que esses canais estejam associados com a excitotoxicidade mediada por receptores NMDA, visto que a administração de nifedipina, bloqueador de canal de cálcio do tipo L, em neurônios-controle, diminui a excitotoxicidade induzida por esses receptores. A ausência desse efeito após ACECC, em neurônios hipocampais, sugere que haja uma diminuição no número de canais ou uma alteração na função ou nas propriedades farmacológicas desse canal, nesse tipo de exposição. Entretanto, a excitotoxicidade induzida por NMDA parece ser mediada pela ativação de CCVS em culturas-controle (Smothers et al., 1997).

Por outro lado, estudos comportamentais sugerem o envolvimento da ativação excessiva do receptor NMDA na expressão e, talvez, até no desenvolvimento das crises relacionadas à síndrome de abstinência ao etanol. Todavia, em virtude das inúmeras evidências, relatando a presença de excitotoxicidade após a ativação excessiva dos receptores NMDA, é possível de se imaginar o potencial que esses receptores possuem para desenvolver excitotoxicidade durante a síndrome de abstinência ao etanol. Entretanto, a redução da gravidade das crises presentes na síndrome de abstinência ao etanol é obtida com a administração de MK801 ou de outros antagonistas do receptor NMDA, quando administrados antes ou durante o período máximo dessas crises (Lovinger, 1993).

Curiosamente, alguns estudos demonstram que os maiores determinantes de morte celular envolvem a duração da exposição agonista, a via de entrada de cálcio e a capacidade de tamponamento do neurônio, e não o pico de concentração de Ca2+ (Tymianski et al., 1993), enquanto outros dados recentes mostram que a elevação da excitotoxicidade, observada após ACECC, está associada ao aumento da resposta de Ca2+ proveniente do receptor NMDA (Smothers et al., 1997).

TRANSMISSÃO GABAÉRGICA

O ácido g-aminobutírico (GABA) é um neurotransmissor inibitório no SNC de mamíferos, sendo que sua ação se deve à ativação de, pelo menos, duas classes de receptores denominados de GABAA e GABAB.

O receptor ionóforo GABAA é o mais distribuído no SNC e sua ativação causa a abertura dos canais de CL- (cloreto), que estão associados a esse receptor, hiperpolarizando, conseqüentemente, a membrana e produzindo um potencial pós-sináptico inibitório.. Esse receptor é composto de várias classes de subunidades (a, b, g, d e r) (Smith e Olsem, 1995; Lüddens et al.,1994) que podem lhe conferir diferentes propriedades farmacológicas (Mohler et al., 1996; Sieghart, 1995).

Há evidências de que tanto a dependência quanto a síndrome de abstinência ao etanol causam alterações na expressão do gene da subunidade do receptor GABAA.

Em animais dependentes de etanol, há uma diminuição significativa dos níveis de RNA mensageiro (RNAm) das subunidades a1 e a2 do receptor GABAA, enquanto há um aumento significativo dos níveis de RNAm das subunidades a4, g1 g2S (Devauld et al., 1995b, 1997). Já outros estudos mostram resultados conflitantes, ou seja, baixos níveis de peptídeos a4 e nenhuma diferença nos níveis da subunidade g2 (Mohler et al., 1996; Devauld et al., 1997).

Por outro lado, durante o pico comportamental da síndrome de abstinência ao etanol, a expressão de RNAm das subunidades a1, a4 e g2S retorna aproximadamente aos níveis controle, enquanto é observado um aumento significativo no RNAm das subunidades b2, b3 e g1 (Devaud et al., 1996).

As alterações na expressão dos genes das subunidades do receptor GABAA podem resultar em populações de receptores com propriedades diferentes daquelas do estado de não-dependência ao etanol (Devauld et al., 1997). Assim sendo, estudos de biologia molecular, utilizando xenopus laevis oocytes, indicam que o etanol potencia somente os receptores que contêm a variante longa da subunidade g2. Pelo fato de que apenas a subunidade longa, e não a curta, possui um sítio de fosforilação, é possível que esse estado de fosforilação seja importante no efeito do etanol (Lovinger, 1993).

Os benzodiazepínicos (BDZ) e os barbituratos (BAR) parecem exercer seus efeitos terapêuticos interagindo com os receptores GABAA (Morrow, 1995), sendo que muitos desses efeitos comportamentais, como, por exemplo, ação anticonvulsivante, ansiolítica, sedativa/hipnótica e propriedades anestésicas, são compartilhados com o etanol. Quando ocorre o consumo de etanol, por longo tempo, é produzida tanto a dependência quanto a tolerância a esses efeitos, as quais podem estar relacionadas a uma diminuição da atividade dos receptores GABAA (Sanna et al., 1993).

Acredita-se que os sintomas da síndrome de abstinência (ansiedade, disforia, insônia e tremores) possam estar relacionados com a repercussão da hiperexcitabilidade do SNC, manifestada com a retirada abrupta do etanol. Dessa forma, sugere-se que a síndrome de abstinência, provocada pelo etanol, possa ser mediada, pelo menos em parte, por redução da função dos receptores GABAA no cérebro (Devauld et al., 1997).

Embora muitos dos sintomas da síndrome de abstinência ao álcool sejam benignos, podendo ser tratados com apenas medidas de suporte, a síndrome de abstinência, de moderada à severa, é mais bem tratada farmacologicamente (Anton e Becker, 1995).

Os objetivos do tratamento da síndrome de abstinência ao álcool são direcionados a minimizar os distúrbios fisiológicos, a inibir o surgimento dos sintomas mais sérios de abstinência, assim como as crises e o delírio tremens, e a estimular o início da reabilitação do alcoolismo.

Apesar da eficácia já demonstrada com os BDZ no tratamento da síndrome de abstinência não complicada, há algumas referências sobre a implicação de abuso dessas drogas durante a detoxificação alcoólica (Jaffe et al., 1983), além dos efeitos colaterais desses compostos que incluem a inibição cognitiva e a sedação.

O desenvolvimento de drogas relacionadas aos BDZ, como, por exemplo, a beta-carbolina e o abecarnil, que têm alta afinidade pelos receptores benzodiazepínicos, mas atuam farmacologicamente como agonistas parciais, podem ser mais específicas em seus efeitos terapêuticos enquanto minimizam os efeitos comportamentais indesejáveis (Stephens et al., 1990).

Inúmeros trabalhos têm demonstrado que abecarnil causa efeito ansiolítico, demonstra um menor efeito sedativo em comparação ao diazepam (Ozowa et al., 1994a), possui pouco potencial para abuso quando comparado com alprazolam e diazepam (Friedman et al., 1993; Mumford et al., 1995) e demonstra ser mais potente que o diazepam em diminuir as convulsões (Crabbe, 1992).

Com base nos dados acima relacionados, é possível sugerir que abecarnil possa ser relativamente seguro e efetivo no tratamento da síndrome de abstinência ao álcool, bem como ser uma alternativa favorável à terapêutica com BDZ. Entretanto, esse mesmo estudo observou a presença de um caso de alucinação severa e outro de delírio tremens, o que sugere a necessidade de mais estudos, com esse medicamento, dando a devida atenção ao aparecimento de efeitos colaterais e à deficiência na supressão da síndrome de abstinência ao álcool (Anton et al., 1997).

TRANSMISSÃO DOPAMINÉRGICA

A dopamina é um importante neurotransmissor do SNC, estando presente em grande proporção no corpo estriado, uma parte do sistema motor extrapiramidal, relacionada à coordenação do movimento, e em algumas partes do sistema límbico. Atualmente, são conhecidos cinco tipos de receptores da dopamina (D1 - D5,), porém, somente os mecanismos de transdução dos receptores D1, D2, e D5 estão totalmente esclarecidos.

Com base na hipótese de que drogas de abuso aumentam a atividade locomotora, por meio de mecanismos que estão relacionados ao reforço (via da dopamina mesolímbica), vários estudos foram desenvolvidos para investigar os efeitos do etanol sobre a via de recompensa.

Basicamente, o principal sistema envolvido na via de recompensa é o sistema dopaminérgico mesocorticolímbico _ corpos celulares localizados na área tegumental ventral, com projeções no núcleo accumbens (Nacc), no tubérculo olfatório, no córtex frontal, na amígdala e na área septal. Dentre essas estruturas, as que projetam ao Nacc formam o núcleo central do sistema de recompensa (Moreau, 1996).

Sabe-se, portanto, que, pelo menos em parte, o álcool estimula o sistema de recompensa atuando sobre o sistema nervoso dopaminérgico central (Koob, 1992a; Samsom e Harris, 1992) e que a dopamina está envolvida na mediação da estimulação locomotora induzida por essa droga. Um perfil importante é que essa atividade locomotora parece estar freqüentemente associada ao bloqueio de receptores D2 da dopamina, visto que o haloperidol e outros antagonistas D2 reduzem a hiperatividade induzida com baixas doses de etanol (Broadbent et al., 1995).

Pelo fato de que o haloperidol possui afinidade pelos receptores s, a1 e 5HT2, além dos receptores D2/D3 da dopamina, outros trabalhos têm utilizado drogas mais específicas.

Dessa forma, estudos recentes têm demonstrado que a tiaprida, antagonista seletivo de receptores D2/D3 da dopamina, bloqueia a hiperatividade induzida por etanol, sem potenciar seus efeitos sedativos, sugerindo que esses receptores estão envolvidos na mediação do efeito estimulante do etanol e que outros mecanismos, não-dopaminérgicos, podem estar relacionados com a sedação produzida por etanol (Grant, 1994).

Entretanto, com relação aos receptores D1 da dopamina, o SCH23390 também inibe a hiperatividade induzida por etanol, nas doses que não afetam a locomoção espontânea, sugerindo um efeito específico desse antagonista. Pelo fato desse efeito inibitório ser revertido, com doses maiores de etanol, é confirmada a presença de antagonismo do tipo competitivo nessa interação farmacológica (Cohen et al., 1997).

Com base nos dados acima relacionados, tanto o haloperidol quanto a tiaprida bloqueiam os efeitos estimulantes do etanol, sugerindo que essas drogas possam ter efeitos benéficos em pacientes alcoólatras, por interferirem no efeito reforçador do álcool. Entretanto, a tiaprida pode ser melhor tolerada pelo fato de ter uma atividade depressora pequena e não interagir com os efeitos depressivos do etanol.

Por outro lado, tem sido observado, recentemente, um aumento da afinidade de [3H]SCH23390, antagonista seletivo de receptores D1, aos seus sítios, no corpo estriado, durante a exposição crônica ao etanol e na síndrome de abstinência, sugerindo a mediação da via dopaminérgica estriatal nas respostas à intoxicação por etanol (Martin et al., 1997)

Autores:

Universidade do Vale do Itajaí
Endereço para correspondência:
Alvorita Leite Bittencourt
Departamento de Ciências Farmacêuticas
Bloco 13, Itajaí, SC
E-mail: alvorita@zaz.com.br

Topo da Página

Referências

  1. Ahern, K.B.; Lustig, H.S. & Greenberg, D.A. _ Enhancement of NMDA toxicity and calcium responses by chronic exposure of cultured cortical neurons to rthanol _ Neurosci 165: 211-214, 1994.
  2. Anton, R.F. & Becker, H.C. _ Pharmacotherapy and pathophysiology of alcohol withdrawal. In: Kranzler, H.R. (ed.) _ The Pharmacology of Alcohol Abuse. Springer, New York, pp. 315-367, 1995.
  3. Anton, R.F.; Kranzler, H.R.; McEvoy, J.D. et al. _ A double-blind comparison of abecarnil and diazepam in the treatment of uncomplicated alcohol withdrawal _ Psychopharmacol 131: 123-129, 1997.
  4. Bhave, S.V.; Snell, L.D.; Tabakoff, B. & Goffman, P.I. _ Mechanism of ethanol inhibition of NMDA receptor function in primary cultures of cerebral cortical cell _ Alcohol Clin Exp Res 20: 934-941, 1996.
  5. Blevins, T.; Mirshahi, T. & Woodward, J.J. _ Increased agonist and antagonist sensitivity of N-methyl-D-aspartate stimulated calcium flux in cultured neurons following chronic ethanol exposure _ Neurosci Lett 200: 214-518, 1995.
  6. Besson, J. _ Les nouveaux médicaments dans le traitement de l'alcoolisme. Unité d'abus de substances du Département universitaire de psychiatrie adulte de Lausanne, 1997.
  7. Broadbent, J.; Grahame, N.J. & Cunningham, C.L. _ Haloperidol prevents ethanol-stimulated locomotor activity but fails to block sensitization _ Psychopharmacol 120: 475-482, 1995.
  8. Crabbe, J.C. _ Antagonism of etanol withdrawal convulsions in withdrawal seizure prone mice by diazepam and abecarnil _ Eur J Pharmacol 221: 85-90, 1992.
  9. Cohen, C.; Perrault, G.H. & Sanger, D.J. _ Evidence for the involvement of dopamine receptors in ethanol-induced hyperactivity in mice _ Neuropharmacol 36: 1099-1108, 1997.
  10. Devaud, L.L.; Purdy, R.H.; Finn, D.A. & Morrow, A.L. _ Sensitization of g-aminobutyric acidA receptors to neuroactive steroids in rats during ethanol withdrawal _ J Pharmacol Exp Ther 278: 510-517, 1996.
  11. Devaud, L.L.; Smith, F.D.; Grayson, D.R. & Morrow, A.L. _ Chronic ethanol consumption differentially alters the expression of g-aminobutyric acidAreceptor subunit mRNAs in rat cerebral cortex: competitive, quantitative reverse transcriptase-polymerase chain reaction analysis _ Mol Pharmacol 48: 861-868, 1995b.
  12. Devaud, L.L.; Fritschy, J.M.; Sieghart, W. & Morrow, A.L. _ Bidirectional alterations of GABAA receptor subunit peptide levels in rat cortex during chronic ethanol consumption and withdrawal _ J Neurochem 69: 126-129, 1997.
  13. Freund, G. & Anderson, K.J. _ Glutamate receptors in the frontal cortex of alcoholics _ Alcohol Clin Exp Res 20: 1165-1172, 1996.
  14. Friedman, L.M.; Keck Jr., P.E.; Bianca, R. et al. _ A prospective, double-blind, randomized, cross-over, outpatient study to evaluate and compare the subjective effects of placebo, abecarnil, and diazepam in volunteer adults with a history of recreational sedative drug use. NCDEU Meeting, Marco Island, Fla, 1993.
  15. Gonzales, R.A. & Hoffman, P.L. _ Receptor-gated ion channels may be selective CNS targets for ethanol _ Trends Pharmacol Sci 12: 1-3, 1991.
  16. Grant, E.R.; Bacskai, B.J.; Pleasure, D.E. et al. _ N-methyl-D-aspartate receptors expressed in a nonneuronal cell line mediate subunit-specific increases in free intracellular calcium _ J Biol Chem 272: 647-656, 1997.
  17. Grant, K.A. _ Emerging neurochemical concepts in the actions of ethanol at ligand-gated ion channels _ Behav Pharmacol 5: 383-404, 1994.
  18. Gruol, D.L.; Parsons, J.G. & Netzeband, J.G. _ Calcium signals pathways linked to glutamate receptor activation in the somatic and dendritic regions of cultured cerebellar Purkinje neurons _ J Neurophysiol 76: 3325-3340, 1996.
  19. Gruol, D.L.; Parson, K.L. & DiJulio, N. _ Acute ethanol alters calcium signals elicited by glutamate receptor agonists and K+ depolarization in cultured cerebellar purkinje neurons _ Brain Res 773: 82-89, 1997.
  20. Hartley, D.M.; Kurth, M.C.; Bjerkness, L. et al. _ Glutamate receptor-induced 45Ca2+ accumulation in cortical cell culture correlates with subsequent neuronal degeneration _ J Neurosci 13: 1993-2000, 1993.
  21. Hoffman, P.L.; Iorio, K.R.; Snell, L.D. & Tabakoff, B. _ Attenuation of glutamate-induced neurotoxicity in chronically ethanol-exposed cerebellar granule cells by NMDA receptor antagonists and ganglioside GM1.Alcohol Clin Exp Res 19: 721-726, 1995.
  22. Hollmann, M. & Heinemann, S. _ Cloned glutamate receptors _ Annu Ver Neurosci 17: 31-108, 1994.
  23. Jaffe, J.H.; Ciraulo, D.A.; Nies, A. et al. _ Abuse potential of halazepam and of diazepam in patients recently treated for acute alcohol withdrawal _ Clin Pharmacol Ther 34: 623-630, 1983.
  24. Koltchine, V.V.; Anantharam, V.; Bayley, H. & Treistman, S.N. _ Alternative splicing of the NMDAR1 subunit affects modulation by calcium _ Mol Brain Re 39: 99-108, 1996.
  25. Koob, G.F. _ Drugs of abuse: anatomy, pharmacology and function of reward pathways _ Trends Pharmacol Sci 13: 177-184, 1992a.
  26. Kuner, T. & Schoepfer, R. _ Multiple structural elements determine subunit specificity of Mg2+ block in NMDA receptor channels _ J Neurosci 16: 3549-3558, 1996.
  27. Leslie, S.W.; Brown, L.M. ; Dildy, M.J.E. & Sims, J.S. _ Ethanol and neuronal calcium channels _ Alcohol 7: 233-236, 1990.
  28. Lovinger, D.M. _ Excitotoxicity and alcohol-related brain damage _ Alcohol Clin Exp Res 17: 19-27, 1993.
  29. Lüddens, H.; Seeburg, P.H. & Korpi, E.R. _ Impact of b and g variants on ligand-binding properties of g-aminobutyric acid type A receptors _ Mol Pharmacol 45: 810-814, 1994.
  30. Martin, G.L.; Briera, F.A. & Calvo, P. _ Effects of chronic ethanol treatment and ethanol withdrawal on [3H]SCH23390 binding to rat striatal membranes _ Neuropharmacol 36: 101-106, 1997.
  31. Mayer, M. & Westbrook, G. _ Permeation and block of NMDA receptor channels by divalent cations in mouse cultured central neurones _ J Physiol (Lond) 394: 501-527, 1987.
  32. Mohler, H.; Fritschy, J.M.; Benke, D. et al. _ GABAA receptor subtypes: pharmacological significance and mutation analyses in vivo. In: Tanaka, C. & Bowery, N.G. (eds.) _ GABA: Receptors, Transporters and Metabolism _ Birkhauser Verlag, Basel, pp. 151-171, 1996.
  33. Moreau, R.L.M. _ Fármacos e drogas que causam dependência. In: Oga, S. (ed.) _ Fundamentos de Toxicologia _ Atheneu Editora, São Paulo, pp. 230-240, 1996.
  34. Morrow, A.L. _ Regulation of GABAA receptor function and gene expression in the central nervous system. In: Bradley, R.J. & Harris, R.A. (eds.) _ International Review of Neurobiology _ Academic Press, San Diego, vol. 38, pp. 1-41, 1995.
  35. Mumford, G.K.; Rush, C.R. & Griffiths, R.R. _ Abecarnil and alprazolam in humans: behavioral, subjective and reinforcing effects _ J Pharmacol Exp Ther 272: 570-580, 1995.
  36. Ozawa, M.; Nakada, Y.; Sugimachi, K. et al. _ Pharmacological characterization of the novel anxiolytic beta-carboline abecarnil in rodents and primates _ J Pharmacol 64: 179-187, 1994a.
  37. Samson, H.H. & Harris, R.A. _ Neurobiology of alcohol abuse _ Trends Pharmacol Sci 13: 206-211, 1992.
  38. Sanna, E.; Serra, M.; Cossu, A. et al. _ Chronic ethanol intoxication induces differential effects on GABAA and NMDA receptorfunction in the rat brain _ Alcohol Clin Exp Res 17: 115-123, 1993.
  39. Sieghart, W. _ Structure and pharmacology of g-aminobutyric acidA receptor subtypes _ Pharmacol Rev 47: 182-234, 1995.
  40. Smith, G.B. & Olsen, R.W. _ Functional domains of GABAA receptors _ Trends Pharmacol Sci 16: 162-168, 1995.
  41. Smothers, T.C.; Mrotek, J.J. & Lovinger, D.M. _ Chronic ethanol exposure leads to a selective enhancement of N-methyl-D-aspartate receptor function in cultured hippocampal neurons _ J Pharmacol Exp Ther 283: 1214-1222, 1997.
  42. Stephens, D.N.; Schneider, H.H.; Kehr, W. et al. _ Abecarnil, a metabolically stable, anxioselective beta-carboline acting at benzodiazepine receptors _ J Pharmacol Exp Ther 253: 334-343, 1990.
  43. Tabakoff, B. & Hoffman, P.L. _ Biochemical pharmacology of ethanol. In: Meltzer, H.Y. (ed.) _ Psychopharmacology. The Third Generation of Progress. Raven Press, New York, pp. 1521-1526, 1987.
  44. Tymianski, M.; Charlton, M.P.; Carlen, P.L. & Tator, C.H. _ Source specificity of early calcium neurotoxicity in cultured embryonic spinal neurons _ J Neurosci 13: 2085-2104, 1993.
Drogas: 

Comentários

o etanol ultima mente esta mais caro

 

  1. nossa nunca pensei que o alcool poderia trazer tantas conçequencias